sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

Categorias:

Resenha: A Teoria de Tudo

A Teoria de TudoTítulo Original: The Theory of Everything

Título Nacional: A Teoria de Tudo

Direção: Eddie Redmayne

Gênero: Biografia, drama 

Duração: 2h03min

Distribuidora: Universal Pictures 

Estreia: 29 de janeiro de 2015

 

 

Frase de destaque: Não deve haver limites para o esforço humano. Somos todos diferentes. Por pior que a vida possa parecer, sempre há algo que podemos fazer em que podemos obter sucesso. Enquanto houver vida, haverá esperança.

A Teoria de Tudo é um filme biográfico, que conta a história do físico Stephen Hawking. Durante o filme é falado sobre sua carreira prodissional, sobre sua doença, sua história com sua ex-esposa Jane e sobre sua doença. Tudo é abordado no filme, mas o grande destque é o romance, seu início, seu desgaste e seu fim. E até triângulo amoroso teve. Mas tudo foi mostrado de forma decente, sem exageros e apelações, até porque um filme como este não precisa disso.

A história é bonita e dramática. O que não lhe deixa mais dramática do que realmente é, é o tom dado ao filme: às vezes com humor, às vezes com uma leveza própria. Esse foi um excelente trabalho de James Marsh, que mostrou que um filme de drama pode ser bom, mesmo que não lhe faça chorar (tem filmes até que se preocupam só em fazer as pessoas chorarem e o conteúdo do filme termina ficando ruim).

Apesar de Hawking ser um grande físico, isso é tratado superficialmente pelo filme, que prefere mostrar o romance ao invés dos seus feitos como cientista. Isso é ótimo, porque a contribuição de Hawking é conhecida de todos, e mesmo as pessoas que não conhecem as suas teorias podem ter acesso a elas facilmente. Já a sua história de amor é que ninguém conhece, e é o que o filme se propõe a mostrar.

As atuações são excelentes. Eddie Redmayne fez o papel de forma perfeita e mostrou bem as diferentes fases da sua doença, cada vez que ia piorando. Uma coisa que gostei porque mesmo com a doença ele se mantinha sorrindo e com bom humor, mesmo quando não falava mais. Felicity Jones também passa por fases: primeiro ela faz a namorada apaixonada, depois a esposa preocupada e que tem pena do marido, e por último a esposa estressada e cansada de cuidar dele, que já não o ama mais.

A fotografia, os cenários e locais usados para a filmagem ficaram ótimos. Tudo combina bem com o momento.

Com um conjunto de trabalhos bem executados, A Teoria de Tudo ganhou fama e destaque, sendo indicado e ganhando prêmios e sendo sucesso de público. Tudo isso é merecido, porque o filme é ótimo.

Nota: