domingo, 1 de fevereiro de 2015

Categorias:
, ,

A revolução dos filmes de super-heróis

Depois que saiu o trailer do novo filme do Quarteto Fantástico, que mostra que ele ficará bem diferente dos outros dois filmes do grupo (as minhas impressões sobre o trailer você lê aqui), me lembrei que um dia eu li em algum lugar que os antigos filmes do Quarteto Fantástico foram feitos para apresentá-los a um público que ainda não os conheciam. É claro que esse público era as crianças e jovens da época, que só conheciam Super-Homem, Batman, Mulher-Maravilha, Homem de Ferro, Hulk, Homem-Aranha, dentre outros mais conhecidos. E o resultado foi aquilo: filmes com ação fraca, com bom humor, com pequena duração, e bem leves, porque aquele era o seu público, aquele era o seu objetivo.

Antigamente tinha poucos filmes de super-heróis e eles não faziam tanto sucesso, além de cada herói ter o seu próprio universo. Mesmo que fossem produzidos pelo mesmo estúdio, cada filme era um filme. Nas décadas de 70, 80 e 90 víamos filmes solos do Super-Homem e Batman apenas com o objetivo de fazer uma versão em carne e osso dos desenhos animados que as crianças assistiam. E não é preciso ir muito longe: nas décadas mais recentes vimos filmes de Hulk, Homem-Aranha e Quarteto Fantástico, que também tinham esses mesmos objetivos, e só ficavam conhecidos do grande público depois que passavam na TV (especialmente os de Hulk). Os filmes de Batman dirigidos por Christopher Nolan eram para os mais crescidos, mas não fizeram tanto sucesso quanto os filmes atuais, e um dos motivos é a falta desse universo de heróis. A primeira trilogia do Homem-Aranha e os filmes dos X-Men deram a sua contribuição para o que conhecemos hoje, mas era algo muito fechado, que não se expandia.

Só depois que a Marvel fez o seu Universo Cinematográfico, foi que as coisas mudaram e os estúdios resolveram melhorar a sua produção. A Marvel revolucionou a ideia de filmes de super-heróis e apresentou uma nova forma de fazer. Apesar de o universo ter começado a ser construído em 2008, o estopim foi em 2012, com o lançamento de Os Vingadores. De lá para cá, a quantidade de pessoas que se interessaram em assistir outros filmes de super-heróis aumentou drasticamente.

Os Vingadores

Foi graças a Marvel que hoje não são somente os nerds e geeks que gostam de filmes de super-heróis. Hoje o grande público se interessa e assiste aos filmes. Uma parte do público que não conhecia os quadrinhos ainda, estão se interessando e procurando ler, por causa dos filmes, porque querem entender mais a história e conhecer mais os personagens. Agora cabe às editoras se adequar ao novo público que está chegando (como a DC Comics pretende fazer).

E o interesse do grande público nos filmes e quadrinhos não é a única mudança: o mercado está oferecendo produtos a esse novo público que gosta de super-heróis. Antes víamos roupas de super-heróis só para crianças, mas agora é fácil encontrar camisas para adultos nas lojas. São roupas, acessórios, brindes de páscoa. Tem de tudo. Foi criada uma nova moda, com esse crescente público, que antes era tão pequeno e pouco explorado. Agora, a pessoa que gosta de super-heróis não é mais considerada tão “diferente” quanto era antigamente.

É por causa disso tudo que a Fox está trabalhando para melhorar a qualidade de seus filmes, e está aumentando o seu universo, com filmes solo de outros heróis, como Deadpool. É por isso também, que um dia ela fará um crossover do Quarteto com os X-Men. É por isso que a Sony fechou um acordo com a Marvel e fará um novo reboot do Homem-Aranha, para que ele participe do Universo Cinematográfico da Marvel, pois os dois estúdios sairão ganhando. É por isso que a Warner está construindo o seu universo cinematográfico, porque tem heróis muito conhecidos e não pode desperdiçar essa oportunidade.

Junto com esse crescimento dos super-heróis nas telonas, o público passou a ser mais exigente, a criticar mais, e a querer ver filmes de melhores qualidades. Não estamos mais no tempo que os estúdios podiam fazer um filme de super-herói de qualquer jeito só para lucrar com ele ou só para apresentar uma versão de carne e osso, como acontecia nas décadas passadas. Por isso os filmes têm que ser bem feitos, têm que ter sentido, têm que ter uma história para contar, e claro, muita ação e bons efeitos especiais. E é com esse objetivo que esse novo filme do Quarteto Fantástico terá essa forma diferente, assim como os filmes da Warner que estão mais sérios, realistas e até mesmo mais sombrios.