sábado, 28 de fevereiro de 2015

Categorias:

Resenha: Deixe a Neve Cair

Deixe a Neve CairTítulo Original:  Let It Snow

Título Nacional: Deixe a Neve Cair 

Autores: John Green, Maureen Johnson, Lauren Myracle

Editora: Rocco Jovens Leitores 

Número de páginas: 336

Ano: 2008

Comprar (livro impresso)

Comprar (livro digital)

 

Comecei a ler Deixe a Neve Cair bem no clima e gostei muito das histórias. São três histórias diferentes, cada uma escrita por um autor, com personagens diferentes. Mas elas têm uma ligação entre si, que são alguns personagens e lugares em comum.

A primeira história, escrita por Maureen Johnson, foi a que eu mais gostei. É uma história leve, divertida, engraçada, sem palavrões e adolescentismos exagerados, como vemos na história e em todos os livros de John Green.

Não gostei muito da personalidade de Jubileu no começo. Stuart só estava fazendo algumas perguntas e ela ficou irritada. Mas isso é o de menos. Achei engraçadas muitas coisas no conto “O Expresso Jubileu”, principalmente na parte que ela explica como é cair num lago congelado. Quando eu mais estava gostando e queria saber o que ia acontecer depois, ele já tinha acabado. Nota 10 para esse primeiro conto.

O segundo conto é de John Green. Já dá para perceber a diferença no modo como a narrativa é feita, porque ele tem as características da narração de John Green, que eu não gosto muito. Pelo menos nesse conto não tem palavrões e nem muito adolescentismo exagerado. A história não é ruim, eu até gostei. Nota 7.

O terceiro conto é o mais chato dos três. Já temos uma noção de quem são os personagens porque eles já foram citados nos outros contos, mas aqui é quando começamos a conhecer todos eles com profundidade. Os diálogos são longos e cansativos e o final é previsível. Nota 6.

O que eu achei mais interessante no livro Deixe a Neve Cair é a forma como ele interliga os personagens de cada conto em lugares iguais e em um momento que acontece uma nevasca. É como na vida real: uma pessoa conhece outra, que conhece outra, mas que não conhece a primeira pessoa. Cada uma delas têm suas vidas, com problemas diferentes e histórias diferentes. É um bom livro.

Nota: