sábado, 18 de abril de 2015

Categorias:

Resenha: O Meu Pé de Laranja Lima (filme) (1970)

O Meu Pé de Laranja Lima - filme 1970Título: O Meu Pé de Laranja Lima

Direção: Aurélio Teixeira

Gênero: Drama 

Duração: 1h35min

Distribuidora: Europa Filmes 

Estreia: 1970

 

 

 

 

 

O filme O Meu Pé de Laranja Lima foi lançado apenas dois anos depois da publicação do livro. Aproveitando o seu sucesso, o filme foi feito e para agradar a todos os que leram e os que não leram o livro, e por isso ficou bem fiel a ele. Até mesmo as falas e a narração de Zezé são as mesmas.

O filme conta as principais cenas do livro, e não tem ritmo acelerado. Tudo acontece no mesmo ritmo do livro.

Eu assisti a esse filme depois de ter lido o livro e de ter assistido ao filme de 2013. Por isso as comparações entre os dois filmes são inevitáveis.

Diferente da versão de 2013, essa versão é fiel nas características dos personagens, colocando-os como realmente são descritos no livro.

Os cortes de cenas são bruscos e a abertura do filme é feita com fotos, ao mesmo tempo em que são mostrados os créditos. Tudo parece muito artesanal, mas é preciso lembrar que é um filme de 1970, e eles não tinham a mesma tecnologia que temos hoje. Até mesmo a qualidade do áudio era diferente.

A trilha sonora é ótima. Nos momentos de drama tem o tom certo, e nos momentos em que Zezé está fazendo algo errado é tocada uma trilha que parece muito com as dos desenhos animados da época. Eles me fizeram lembrar de infância. Me parece que essa trilha sonora feita de instrumental era a “moda” daquele tempo.

Senti falta dos momentos em que Glória interfere quando Zezé está apanhando, e da sua presença quando ele estava doente. Isso é muito importante porque Glória é a irmã mais chegada de Zezé e isso fica bem claro na narrativa do livro. E isso também é levado em consideração na versão de Marcos Bernstein.

O filme não teve a preocupação de não mostrar a violência sofrida por Zezé. Eles mostraram mais do que o filme de 2013. Mesmo assim, a cena que Jandira bate em Zezé porque ele preferiu fazer o balão em vez de ir comer é fraca, se compararmos com a grave consequência disso, que é contada no livro.

Também é mostrado Zezé se banhando no rio, totalmente nu. Provavelmente não tinha problema mostrar isso naquela época, como hoje teria.

Uma coisa que gostei nesse filme é que é mostrada a parte que ele rouba flores para dar à professora. No livro, a parte que ele confessa que roubava as flores é emocionante, e na versão de 2013 eles ignoraram isso, o que é uma pena.

Por ser bem fiel ao livro, com as mesmas cenas, falas e narrativas, esse filme é mais realista do que a outra adaptação, o que lhe dá um ponto a mais.

A única coisa que ele perde para a versão mais atual é que as suas atuações não são tão boas. Julio Cesar Cruz faz muito bem o papel de Zezé, mas existe falta de emoção no filme como um todo. Tudo parece muito mecanizado, talvez por ser tão fiel ao livro. A história de O Meu Pé de Laranja Lima é tão bonita, dramática e emocionante que o filme não conseguir passar isso ao expectador é decepcionante.

Leia também:

Nota: