sexta-feira, 31 de julho de 2015

Categorias:

Resenha: Carrossel – O Filme

Carrossel - O FilmeTítulo: Carrossel – O Filme

Direção: Alexandre Boury e Mauricio Eça

Gênero: Comédia, aventura, família 

Duração: 1h38min 

Estreia: 23 de julho de 2015

 

 

 

 

 

 

Carrossel – O Filme chegou tarde, dois anos depois do encerramento da novela. Ainda antes do fim da novela, eu mesmo sugeri ao SBT que fizesse um filme de Carrossel porque ele faria sucesso entre as crianças, assim como a novela. Claro que eu queria que o filme fosse feito naquele ano, em 2013, não em 2015. Não sei se chegaram a receber e ler a minha sugestão, mas caso tenham lido, não os culpo pela demora, porque negociação entre empresas é sempre demorada.

De qualquer forma, as crianças não são mais crianças. O meu medo era que elas fizessem o papel de crianças do 3º ano que estudam na Escola Mundial com a Professora Helena, mesmo já sendo adolescentes. Para o meu alívio, isso não aconteceu, e o filme tem uma pegada mais pré-adolescente, tendo até alguns romances entre os personagens.

O problema é na diferença de idade dos atores, que na novela não dava para perceber, mas no filme você percebe quem é adolescente e quem ainda é criança. Como eles podem estar na mesma classe? Outra coisa: se já tem adolescentes ali (tá, mas vamos fingir que são pré-adolescentes) porque eles ainda estudam na Escola Mundial, que só vai até o Ensino Fundamental 1? Essas são as consequências da demora para fazer o filme. Ele termina ficando sem explicações e sem sentido em alguns detalhes. São detalhes que não atrapalham na trama, mas é claro que o filme seria melhor se os atores ainda fossem crianças.

O roteiro é bom, fazendo Carrossel – O Filme ser um bom filme infantil brasileiro. Não temos muitos filmes desse gênero no Brasil. Conhecemos só os filmes de Didi e Xuxa, que nem sempre são bons. Lembro que quando era criança, não gostava de todos os filmes deles. Alguns eram chatos. O recente Os Caras de Pau em o Misterioso Roubo do Anel é horrível, mesmo para um filme infantil. Pelo menos Carrossel – O Filme se sobressaiu e apresentou algo de qualidade.

Já perto do final, algumas cenas são inspiradas em Esqueceram de Mim (e depois confirmam isso, fazendo referência ao filme), com a diferença que as ideias usadas foram bem bestas e mal executadas. Um saco com alguma coisa dentro pendurada no teto tocou o vilão e ele caiu. Em Esqueceram de Mim não é assim que acontece. Lá é tudo mais real e verdadeiro. Querer fazer referência e imitar uma cena de um dos melhores filmes infantis de todos os tempos e não fazer direito é uma vergonha. Seria melhor não ter feito a cena e nem a referência. E no fim de tudo essa cena não serviu para nada, porque o desfecho do filme foi tão simples, que não ficou bom.

Alguns personagens têm pouquíssima participação, e estão ali só para dizer que fizeram o filme. Os destaques são apenas Maria Joaquina, Cirilo, Jaime, Valéria, Davi (por causa de Valéria), Paulo, Kokimoto, Daniel e Carmem.

As divisórias que aparecem entre uma cena e outra lembram muito as que são usadas nas novelas do SBT. Gostei da trilha sonora, tanto os sons de fundo, quanto as músicas, especialmente a última, no fechamento do filme. Só não gostei da primeira música, logo no início do filme, quando estão todos no ônibus. É a música “Carrossel” com outro ritmo, o que lhe deixou estranha.

De modo geral, Carrossel – O Filme é um bom filme infantil, e cumpre o que promete. Os pontos negativos falados aqui atrapalharam pouco o filme, porque foram questões técnicas apenas, mas que com certeza, se tivessem sido mais bem feitas, o resultado final seria melhor. Ele não chega a ser melhor que filmes infantis dos Estados Unidos, ou mesmo da França, como O Pequeno Nicolau e As Férias do Pequeno Nicolau, mas representa bem o gênero de filme infantil.

Nota: