sábado, 11 de julho de 2015

Categorias:

Resenha: Expresso do Amanhã

Expresso do AmanhãTítulo Original: Snowpiercer

Título Nacional: Expresso do Amanhã

Direção: Joon-ho Bong 

Gênero: Ficção científica, drama, ação

Duração: 2h06min 

Estreia: 30 de julho de 2015

 

 

 

 

Expresso do Amanhã começa parado, apenas fazendo a apresentação da situação e dos personagens. Quando começa a ação, ela é boa.

No final é onde tudo se explica. É onde o criador e dono do trem fala do porquê de tudo acontecer. A explicação faz sentido, mas continua sendo cruel, já que as pessoas dos vagões do meio e da frente têm muitas vantagens e mordomias, que as pessoas do último vagão não têm. O tratamento dado a eles é claramente diferente.

SPOILER: O final é um pouco sem noção. Todo mundo morre (na cena da explosão eu achava que alguns vagões tinham se salvado, mas como nada foi mostrado depois, quer dizer que todos estavam mortos), menos uma menina de 17 anos e um menino de 5 anos. E na finalização do filme é sugerido que aquilo representa um novo começo da humanidade, já que tinham dois sobreviventes, e também da Terra, já que eles viram um urso polar. Mas isso seria possível? Como eles vão vier no meio de toda aquela neve? O trem está em destroços e só serve muito mal para dormir. Seria mais fácil aquele urso comer os dois, do que eles conseguirem comê-lo. E como a humanidade poderia estar salva só com duas pessoas de idades e faixa etárias diferentes?

O final do filme poderia ser melhor construído, com algo que fizesse mais sentido.

Chris Evans, que é o grande nome do filme, não está mal, mas também não está exuberante. Está bem, apenas. Octavia Spencer está ótima, só acho que deveria ter uma participação ainda maior.

Expresso do Amanhã tem uma ideia original, mas não traz um diferencial na construção da história, ficando parecido com outros filmes em que existe a classe pobre que sofre e é oprimida pelo governo (que aqui é o dono do trem), e que se revolta contra ele, e então começa uma espécie de guerra. O filme também não traz grandes cenas. Ele tem pouca tensão, e o roteiro não te prende e nem te conquista. É um bom entretenimento, mas é facilmente esquecível.

Nota: