quinta-feira, 10 de setembro de 2015

Categorias:

Resenha: O Agente da U.N.C.L.E.

Título Original:  The Man from U.N.C.L.E.

Título Nacional: O Agente da U.N.C.L.E. 

Direção: Guy Ritchie 

Gênero: Ação, aventura  

Duração: 1h57min  

Estreia: 03 de setembro de 2015








O Agente da U.N.C.L.E. é chato e parado. Eu esperava mais das suas cenas de ação. Ele tem mais cenas de aventura, que também são ruins. Não gostei da trilha sonora porque ela não combina com as cenas do filme. Também não gostei das cenas cortadas que depois voltam em cenas futuras como explicação do acontecido. Dá para entender tudo, mas na hora você tem a sensação de confusão. Seria mais simples se tudo fosse apresentado de forma linear.

As conversas em outras línguas são ruins porque aumentam ainda mais essa sensação de confusão. Chega um momento que você não se sente mais confortável enquanto assiste. Guy Ritchie, diretor do filme, poderia ter colocado uma ou duas cenas em outras línguas, mas exagerou muito.

Existe a presença de humor, mas que poucas vezes consegue fazer rir. Tem também a insinuação de um romance, que não chega a ser concretizado, talvez para fazer o expectador torcer por eles e criar empatia pelos personagens, coisa que não acontece porque o roteiro e os personagens são fracos. Os nomes de Henry Cavill e Armie Hammer não ajudaram em nada os personagens. Henry Cavill não oferece uma atuação diferenciada, lembrando a sua atuação em O Homem de Aço. As outras atuações são medianas.

No final fica claro que o filme inteiro foi de origem, mas isso não justifica ele ser tão fraco, porque houve uma missão e cenas de ação, mas que nem sequer davam tensão ao expectador.

Nota: