sábado, 28 de novembro de 2015

Categorias:

Resenha: Jogos Vorazes: A Esperança – O Final

Título Original: The Hunger Games - Mockingjay: Part 2

Título Nacional: Jogos Vorazes: A Esperança – O Final

Direção: Francis Lawrence

Gênero: Aventura, drama, ficção científica

Duração: 2h17min

Estreia: 18 de novembro de 2015








As pessoas vem estado decepcionadas com Jogos Vorazes: A Esperança – O Final. Vejo críticas negativas e pessoas no Filmow dando notas medianas. Os motivos geralmente são esses: falta de ação, muito drama e final sem graça. Sinceramente, parece que tem gente que ainda não entendeu do que Jogos Vorazes se trata.

O último livro, A Esperança, é o mais fraco da trilogia justamente por trazer muito drama e ser repetitivo, mas só até a sua metade. Na outra metade melhora. Nos filmes eles dividiram essas metades em dois filmes, em que um deles foi totalmente baseado na parte dramática do livro. Isso gerou críticas das pessoas que esperavam ver mais um filme de ação. Provavelmente foi por causa da Parte 1 que O Final não está indo tão bem nas bilheterias. Depois de terem suas altas expectativas contrariadas no filme anterior, as pessoas parecem não estarem muito animadas com esse. A Lionsgate, porém, não teve prejuízo com isso. As gravações dos dois filmes foram feitas de uma vez só, e só com a bilheteria da Parte 1, o filme já se pagou. Eles estão ganhando duas vezes.

Jogos Vorazes: A Esperança – O Final tem apenas duas cenas de ação, mas que são ótimas. O resto do filme é divido em aventura e drama. Mas não achei isso ruim. Primeiro, porque eu gosto de um bom filme de drama, e segundo, porque eu entendo o que o filme quer dizer. Jogos Vorazes não é uma franquia de filmes que quer apenas mostrar adolescentes lutando pela sobrevivência e matando uns aos outros. Ele é mais que isso. Ele quer mostrar como é o governo de Panem, apresentar a sociedade e seu estilo de vida, a diferença entre os distritos. Em Jogos Vorazes: A Esperança – Parte 1 é mostrado como Katniss sofre por ser obrigada a ser o símbolo de uma revolução, uma revolução que ela não iniciou voluntariamente e conscientemente. É mostrado como ela está sendo usada. Já em Jogos Vorazes: A Esperança – O Final, é mostrado a revolta, e a guerra entre os distritos e a Capital. É mostrado como Katniss odeia tudo aquilo, e que se ela pudesse não estaria ali. Ela não concorda com as decisões que são tomadas. Ela tem apenas um objetivo: matar Snow, e para isso tem que se emprestar ao Distrito 13, que lhe usa para atingir os seus objetivos. Jogos Vorazes trata da briga pelo poder, onde a líder da revolução apenas quer ter o poder para se vingar, mas que não tem a intenção de fazer grandes mudanças.

O país está em guerra, Katniss é o símbolo da revolta, mas ela não quer isso. Ela não é uma heroína, e sofre. Com toda essa situação, e ainda, tantas mortes, como pode não ter drama nesse filme? Jogos Vorazes não se trata SÓ dos jogos e da matança, se trata do sistema político, da luta por um lugar melhor, do esforço de Katniss para atingir os seus objetivos, para finalmente tentar ser feliz. Só quem não entende o universo em volta de Katniss pode achar este filme e o anterior ruins.

O melhor de tudo é que esse drama não é mal feito e nem forçado. Ele é muito bem construído e convincente. Não só Katniss, mas todos os outros personagens sofrem e mostram em suas expressões a seriedade e o sofrimento da situação. O final não é sem graça ou ruim, como algumas pessoas acharam. Ele é justo com Katniss, lhe dando um final adequado depois de tudo o que ela passou.

Os destaques nas atuações vão para Jeniffer Lawrence, que aqui está com sua melhor atuação em comparação aos outros filmes da saga e passa bem os sentimentos de Katniss em cada momento, e para Donald Sutherland, que faz do Presidente Snow não só como um vilão malvado, mas também alguém inteligente e manipulador.

O filme é muito fiel ao livro, mostrando que é sim possível fazer um filme fiel, com poucas adaptações, e com alta qualidade. Apesar de eu ter lido o livro, me surpreendi com muitas cenas, tive sustos e momentos de tensão. Por isso ele é um filme bom, porque consegue passar essas sensações que os personagens estão sentindo ao expectador. Mesmo se você leu o livro, você ainda terá essas sensações ao assistir ao filme. É uma experiência única.

Jogos Vorazes: A Esperança – O Final fecha a franquia com chave de ouro, mostrando tudo o que tinha que mostrar, e não fazendo dos livros de Suzanne Collins apenas uma forma de ganhar dinheiro com filmes de lutas protagonizadas por adolescentes com um romance bobo (como muitos por aí). O drama foi necessário para dar sentido e profundidade ao filme, e não fazê-lo se tornar apenas mais um.

Nota: