quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Categorias:

Resenha: Joy: O Nome do Sucesso

Título Original: Joy

Título Nacional: Joy: O Nome do Sucesso

Direção: David O. Russell

Gênero: Biografia, Drama, Comédia

Duração: 2h04min

Estreia: 21 de janeiro de 2016








Frase de destaque: Todo mundo começa com um sonho de como a vida será.

Eu gosto de filmes como Joy: O Nome do Sucesso, que são histórias de superação, que mostram que existiram muitos obstáculos na vida de uma pessoa antes dela ter sucesso, se tornar rica, conhecida e reconhecida pelo que fez. Histórias como a de Joy são inspiradoras e nos mostram que devemos enfrentar nossas dificuldades para atingir os nossos objetivos, e que devemos continuar insistindo numa ideia de maneiras diferentes, se acreditamos nela. Temos que usar todos os recursos e conhecimentos que temos.

O filme se trata da história real de Joy Mangano, uma inventora, mostrando as dificuldades que ela passou para que a sua primeira invenção - um esfregão em que a pessoa não precisava tocar nele para torcer e lavar - fizesse sucesso. De defeito, o que achei nesse filme foi o foco que ele dá na novela. Não só a novela aparecia, como Joy também fez parte dela em um pesadelo. A novela esteve presente em quase todas as falas de Terry. Não entendo qual a sua importância para a história de Joy. Se a mãe dela era tão presa à novela, isso poderia ser mostrado, mas sem necessariamente ser tão repetitivo. Isso tira a seriedade e foco do filme, que é uma cinebiografia.

Outro ponto que poderia ser mais bem trabalhado é a questão do tempo. Enquanto você assiste ao filme, percebe que muitos meses ou anos se passam entre um acontecimento e outro, mas nada muda. O visual dos personagens é o mesmo, a idade das crianças também, dando a impressão que tudo o que aconteceu na vida de Joy foi em pouco tempo.

Fora isso, o filme é ótimo. Apesar desses erros (que atribuo a David O. Russell, diretor do filme), a mensagem do filme é o que ficou na minha cabeça, e isso vale muito.

A fotografia do filme é diferente. Ela é simples, em alguns momentos delicada, e bonita.

Jennifer Lawrence está muito bem no papel, mostrando, mais uma vez, como ela pode ser versátil.

Nota: