quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Categorias:
,

Resenha: Thor: O Mundo Sombrio

Título Original: Thor: The Dark World

Título Nacional: Thor: O Mundo Sombrio

Direção: Alan Taylor

Gênero: Ação, Fantasia, Aventura

Duração: 1h52min

Estreia: 1 de novembro de 2013







Thor: O Mundo Sombrio é melhor que o primeiro filme do Thor, mas só um pouquinho. Os efeitos especiais não foram exagerados, e por isso aquela sensação de que você está vendo um jogo com bonecos lutando foi diminuída. Asgard está mais bonita e real, ao contrário do primeiro filme, que parecia artificial. Apenas as primeiras cenas, que trazem a introdução da história é que se parece assim, mas o resto do filme não.

Ouvi muito as pessoas dizerem que esse filme tinha muita piada e era mais engraçado que o primeiro, mas não achei isso tudo. Ele tem algumas frases e cenas que quebram a seriedade, mas nada que tenha atrapalhado. O tom sombrio e sério do filme é o que prevalece, e isso é bom. O humor aparece nos momentos certos, para não fazer ninguém ficar dormindo, já que essa é uma história mais séria e sombria, e que tem pouca ação. Em minha opinião, o primeiro filme foi mais bem humorado, porque tem um tom mais leve em sua história.

A ação é pouca. O filme é mais aventura, e sempre fica explicando a mitologia nórdica, e a junção dos planetas (a chamada Convergência). Isso é bom porque dá para entender a história direitinho. Essa explicação é o que eu sinto falta nos outros filmes da Marvel que muitas vezes passam rápido demais nos fatos, principalmente nos filmes dos Vingadores. Em compensação, a ação foi deixada de lado muitas vezes. Ela é pouca, e na maioria das vezes, fraca. A melhor cena de ação foi feita com Loki, que derrotou facilmente vários inimigos. Loki roubou a cena do filme em vários momentos. Ele é um vilão muito carismático. Isso mostra que apesar de nesse filme Thor se mostrar mais forte do que no primeiro, ele ainda não foi bem trabalhado.

Outro ponto negativo é o romance com Jane Foster. Agora entendo porque as pessoas não gostam dela. Tudo o que acontece de ruim em Asgard e na vida de Thor é por causa de Jane. Ela chega lá em Asgard e então só acontecem desgraças. Ela é uma cientista, mas ajuda pouco Thor em sua missão. Na verdade, nesse filme ela mais atrapalhou do que ajudou. Ela apareceu como a mocinha em perigo que precisa ser salva pelo herói, e isso é chato de se ver. Gostamos que as namoradas dos heróis sejam úteis para alguma coisa, como Peggy Carter, que era uma mulher durona, e ajudou Steve quando ele precisou. Como Pepper Potts, que apesar de não se envolver em ação, administra as Indústrias Stark.

Esse já é o segundo filme do Thor em que ele não é bem trabalhado. Os diretores e roteiristas parecem perdidos e parecem não saber trabalhar com o personagem. Ele não ganhou a atenção e o filme que merece. Só vejo uma preocupação apenas em explicar a mitologia nórdica e com o romance. E ação que é bom...

De modo geral, as cenas de ação de Thor: O Mundo Sombrio, que é o que queremos ver, está no mesmo nível das do filme anterior. Thor ainda não chegou no ponto. Precisa melhorar muito. Espero que consigam fazer um trabalho bem feito e decente em Thor: Ragnarok, pelo menos essa vez.

Nota: