quarta-feira, 27 de julho de 2016

Categorias:

Resenha: As Tartarugas Ninja – Fora das Sombras

As Tartarugas Ninja - Fora das Sombras - pôster nacionalTítulo Original: Teenage Mutant Ninja Turtles: Out of the Shadows

Título Nacional: As Tartarugas Ninja – Fora das Sombras

Direção: Dave Green

Gênero: Aventura, ação, comédia

Duração: 1h52min

Estreia: 16 de junho de 2016

 

 

 

 

 

As Tartarugas Ninja – Fora das Sombras é o que esperamos ver de um filme das Tartarugas Ninja, e é o que o primeiro filme deveria ter sido. Por sorte Josh Appelbaum e André Nemec, roteiristas dos dois filmes, perceberam seus erros no filme anterior, corrigiram e trouxeram esse filme, que ficou muito bom. Apesar Michael Bay, produtor do filme, ser o nome mais conhecido da equipe, a mudança de diretor (aqui dirigindo Dave Green, de Terra para Echo) também foi importante para que o filme desse esse resultado. Ao contrário do filme anterior, este é realmente focado nas tartarugas irmãs que dão nome ao filme, e não em April. Elas são realmente os personagens principais do filme. Dessa vez também não é mostrado nada tão sombrio ou dramático, como foi no outro filme, que tinha tirado a identidade dos personagens. Outra diferença está nas cenas de ação. Dessa vez elas acontecem em mais momentos, e não só em poucas cenas.

Uma coisa que gostei bastante nesse filme é que ele se assumiu do jeito que deve ser sem ter vergonha de nada. Apesar de sempre ter explicações científicas para dar sentido às coisas nas cenas do Dr. Baxter e de Donatello (que parece estar virando requisito para um filme de ação e ficção científica hoje em dia), ele tem vilões coloridos e caricatos, que parecem ter saído dos desenhos animados. As quatro tartarugas estão sempre brincando, sorrindo e fazendo coisas de típicos adolescentes. Os seus armamentos, ideias, e o caminhão de lixo genial que atira tampas de bueiro pela frente mostram um pouco disso. Eles estão sempre contando piadas e por isso o filme tem muitas cenas engraçadas, a ponto de você não sentir falta das cenas de ação, diferente do filme anterior, que você sentia falta das cenas de ação e não se contentava com as de drama.

Como não podia deixar de ser, existe um pouco de drama, mas nada exagerado. Muito pelo contrário, ele passa uma mensagem de autoaceitação muito legal, principalmente para o público-alvo do filme, que são as crianças e adolescentes.

O Brasil faz parte do filme, e as tartarugas vêm para cá. Essa foi uma forma achada pelo estúdio de agradecer ao público brasileiro pelo sucesso que o primeiro filme teve por aqui, apesar de suas falhas e das críticas. E nós ficamos felizes em ver a nossa terra em uma produção de Hollywood. :D

Stephen Amell, conhecido por ser o Arqueiro Verde na série Arrow também participa como Casey Jones. Aqui ele funciona como uma versão mais sorridente e social de Oliver, mas nada muito diferente do que já vimos em sua atuação na série.

Eu não estava muito animado para essa sequência depois da decepção que foi o primeiro filme, mas ele me surpreendeu por ter sido feito como deveria. Ponto para os roteiristas e para o diretor! As Tartarugas Ninja – Fora das Sombras cumpre com seu objetivo e faz o que tem que fazer muito bem. É só uma pena não estar dando bilheteria tão alta quanto o filme anterior, porque aquele não merecia, mas esse merece.

Leia também:

Nota: