segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Categorias:

Resenha: Extraordinário (livro)

Extraordinário - R.J. Palacio - capaTítulo: Extraordinário

Autora: R.J. Palacio

Editora: Intrínseca

Número de páginas: 320

Ano: 2013

Comprar (livro impresso)

Comprar (livro digital)

 

 

 

 

 

 

Em Extraordinário, é contado a história de August, um menino de 10 anos que tem vários problemas no rosto, e que vai à escola pela primeira vez no quinto ano. A primeira parte a narração é de August, onde é contada a sua história, e os seus problemas. Em muitas partes chega a ser emocionante! Você se pergunta, “e se acontecesse de eu ver ou estudar com alguém assim, como reagiria?” Uma coisa é certa: as crianças podem ser cruéis.

As histórias são simples, os capítulos são curtos, e o livro é como um diário, em que estão escritos apenas eventos importantes dos personagens.

Depois temos a narração de Via, irmã mais velha de August, depois de Summer, amiga dele, e depois de Jack Will. As narrativas de Justin e Miranda são curtíssimas e não acrescentam muito à história por serem personagens coadjuvantes. É muito interessante ver vários lados de uma história, o modo de pensar e agir de cada um, e seus motivos. Todo mundo tem problemas, e cada um reage diferente a uma mesma situação.

Extraordinário é um livro leve, sentimental e fofo! Você lê os capítulos rapidinho, e não se cansa. Li o livro inteiro em apenas duas semanas, e ainda assim foi muito tempo porque não lia todos os dias (na época em que estava lendo, estava mais concentrado nos quadrinhos). Fiquei imaginando como seria um filme baseado no livro, e para minha supresa, descobri que ele irá virar um filme! Com certeza irei vê-lo!

Você ri com algumas situações e chora com outras. O livro nos dá uma grande lição: a de não jugar as pessoas pela cara ou pelo que parecem ser. Ele também aborda a questão de ajudar e defender os amigos, não praticar o bullying, e não fazer diferença com ninguém. Ele mostra como atos cruéis que uma criança faz à outra através do bullying pode prejudicá-la.

Eu gostaria muito que todas as pessoas, principalmente os pais, lessem Extraordinário, educassem seus filhos para não praticarem bullying na escola, e tivessem uma conversa franca com eles, mostrando como isso pode prejudicar o lado emocional e psicológico da outra pessoa, e mais: que bullying não é só o ato direto em si, mas os indiretos também. As pessoas que veem outras praticando bullying, mas não fazem nada para mudar essa situação, que ficam passivas, também estão praticando bullying. A pessoa que não faz nada de ruim com a outra, mas finge que ela não existe e não lhe dá apoio por medo do que os outros vão pensar ou dizer, também está praticando bullying. E é tudo isso que os pais têm que conversar e ensinar aos seus filhos, para que assim tenhamos um mundo com pessoas melhores.

Por trás de toda a simplicidade do livro e das suas histórias temos uma grande mensagem e ensinamento. E espero que isso não fique apenas na mente das pessoas que leram o livro, mas que façam a diferença na prática.

Nota: