segunda-feira, 25 de julho de 2016

Categorias:

Resenha: Procurando Dory

Procurando Dory - Pôster nacionalTítulo Original: Finding Dory

Título Nacional: Procurando Dory

Direção: Andrew Stanton, Angus MacLane

Gênero: Animação, comédia, aventura

Duração: 1h35min

Estreia: 30 de junho de 2016

 

 

 

 

 

Me lembro quando lançou Procurando Nemo. Eu era criança e tinha adorado. Assisti várias vezes e ria muito em todas elas. O filme Tinha cenas engraçadíssimas. As melhores eram de Dory. E agora, 13 anos depois daquele filme, a Pixar lança Procurando Dory, que se passa imediatamente depois do primeiro filme. Neste filme Merlin e Nemo participam como coadjuvantes, apesar que Merlin ainda tem mais presença que Nemo.

Mas Procurando Dory não ficou tão legal quanto Procurando Nemo. Ele não é tão divertido, e nem tão engraçado. Na verdade ele é uma reciclagem da história do primeiro filme, em que existe uma grande aventura de procura e fuga dos personagens, enquanto conhecem outros que lhes ajudam, mas só que dessa vez é com Dory sendo a procurada.

As piadas de Dory que funcionaram muito bem no primeiro filme, dessa vez não surtem tanto efeito, como o “baleiês”, que aqui é usado tantas vezes, que termina perdendo a graça. Outro ponto negativo é o esquecimento de Dory, que não é tão grande nesse filme. Para que a história pudesse se desenvolver ela teria que se lembrar de algumas memórias de infância, e isso vai acontecendo no filme inteiro. Não fica bom porque tira uma das principais características da personagem. Eles se preocuparam até em contar a origem da música “Continue a nadar”, o que é desnecessário. Às vezes um personagem é muito bom do jeito que é, e quando você dá uma história de origem para ele pode terminar lhe estragando. Com Dory senti certa descaracterização por causa da quantidade de memórias do passado que ela estava tendo.

E ao mesmo tempo que você percebe semelhanças da história em relação à Procurando Nemo, também percebe que aqui a trama se desenvolve muito rápido e seus problemas são resolvidos tão rapidamente que não chega a fazer sentido. Tudo bem que é um filme infantil e que isso não importa para as crianças, mas estou comparando com a incrível qualidade que Procurando Nemo teve, e que Procurando Dory parece não ter tido essa preocupação de fazer uma história com sentido.

Se o presidente da Pixar já disse que eles não estão focados em continuações e sim em criar novos filmes, esse é um filme que não precisava ser feito. Pelo sucesso que Procurando Nemo foi, e pelo que ele representou a uma geração de crianças (a minha!), eu esperava bem mais de Procurando Dory. Esperava um filme tão engraçado e divertido quanto o anterior, e ao mesmo tempo com uma história original e bem fechada. Mas me decepcionei um pouco, porque ele não é original, lhe deixando com a sensação de “eu já vi isso antes”. O filme até poderia ser cheio de clichês (e é), ser rápido na resolução de problemas, e ser repetitivo em relação ao anterior, mas se ao menos fosse tão divertido quanto o outro, ainda seria uma sequência que teria valido a pena. Mas nem isso. Quer dizer, é legal, é divertido, as crianças vão gostar, mas não se compara de forma alguma com Procurando Nemo.

Nota: