sábado, 15 de outubro de 2016

Categorias:
, ,

Resenha: Luke Cage – 1ª temporada

Luke Cage - 1ª temporada

Atenção! Esta resenha contém spoilers de Luke Cage e Jessica Jones.

Eu, ao contrário da maioria das pessoas, gostei de Luke Cage, e gostei mais ainda do que Demolidor e Jessica Jones. O problema das pessoas é que elas querem que todas as séries de super-heróis sejam como Demolidor, com muitas lutas e acrobacias. Elas se esquecem que cada personagem tem uma personalidade e estilo diferente. Jessica Jones e Luke Cage têm super-força, mas não sabem lutar, então eles só jogam pessoas. Luke Cage ainda aguenta muito mais que Jessica, não só porque é a prova de balas, mas porque também tem mais força que ela. Então você não vê ele fazendo um grande esforço para nada. Mas não é por isso que a série é ruim.

Eu tive um choque inicial porque o Luke Cage dessa série é um pouco diferente do que aparece em Jessica Jones. Lá ele é mais calmo e discreto quanto ao uso dos seus poderes, mas aqui ele resolve aparecer e ainda dizer o seu nome na televisão, o que lhe deu uma notoriedade que nem Demolidor e nem Jessica Jones tiveram. Só comparando, Demolidor sempre sai nos jornais, enquanto Luke Cage sempre sai na televisão. Isso com certeza lhe prejudicou. O ambiente da série também é outro: é o Harlem, uma cidade de predominância negra, e por isso as coisas são um pouco diferentes. Acho que isso contribuiu para essa mudança em Luke de uma série para outra. A transição poderia ter sido melhor. E para completar, o primeiro episódio foi regular, quebrando logo de cara as expectativas de muita gente.

Falando no Harlem, as cenas que foram gravadas de dia na barbearia Pop’s, do lado de dentro ou de fora, me lembrou muito o ambiente de Todo Mundo Odeia o Chris, o que me deu um saudosismo da série.

A partir do segundo episódio é que as coisas começam a melhorar, e a partir daí passei a gostar da série. A partir desse episódio você aceita e entende melhor o ambiente em que Luke está inserido e o porquê das suas atitudes. A partir daí também passam a acontecer várias mortes. Algumas são inacreditáveis.

Não estou querendo polemizar, até porque não gosto disso, mas não concordo com o Veredito do Omelete para a série. Segundo eles “já está na hora da Netflix parar com o drama nas suas séries da Marvel”. Eles não sabem o que querem. Se a Marvel faz um filme cheio de piadas eles não gostam, e se a Netflix faz séries sombrias e realistas, eles dizem que não querem mais ver. Agora eles querem que Punho de Ferro seja mais alegre. Não vai ser, e é melhor ir se acostumando com a ideia, porque esse é o perfil das séries da Netflix. Luke Cage foi a série que teve o drama menos pesado das três. Demolidor tem um drama muito chato e exagerado sobre segredos e amigos, algo parecido – e não canso de dizer isso – com Arrow. Jessica Jones tem um drama psicológico que não é chato, mas é pesado e profundo. Já Luke Cage tem sim seus dramas, mas que são mais leves e que não são exagerados. É um drama mais palatável. De certa forma Luke Cage é dos três a série mais próxima da realidade por causa do desenrolar de toda a história e seu desfecho, e também pelas discussões sobre tráfico de armas, sobre a comunidade negra e pelas discussões políticas.

Duas personagens femininas que têm grande destaque é Misty Knight, a detetive, e Claire, apresentada desde a primeira temporada de Demolidor. Misty, apesar de não dizerem explicitamente, tem poderes, e você percebe isso desde a primeira vez que lhe vê. Claire está incrível. Ela tem aqui a sua maior participação e importância desde seu surgimento em Demolidor. Em Luke Cage ela é tudo o que eu gostaria que tivesse sido em Demolidor: ela luta, se defende, é ousada, está sempre ao lado de Luke lhe ajudando quando ele precisa e ainda tem um envolvimento amoroso. É uma personagem que tem sua importância, e que nesta série foi reconhecida e tratada com respeito. A atuação de Rosario Dawson é o que faz amarmos a personagem ainda mais. Mas ela não foi nada disso em Demolidor, ou porque não souberam lhe aproveitar bem, graças aos dramas de Matt, ou de repente porque já tinham planos para ela em Luke Cage.

Luke e Claire - Luke Cage - 1ª temporada

Sobre o romance dela com Luke, é muito legal. Ela se deu o devido respeito e deu um passo de cada vez. Às vezes penso que foi meio que uma traição com Jessica Jones, porque ela lhe conheceu e sabia que ela gostava dele. Mas na maior parte do tempo a minha torcida é para que Claire fique com Luke, porque o relacionamento de Luke e Jessica era complicado e só vivia à base de sexo. Jessica era apaixonada por ele, mas parece que os dois só se identificavam por causa dos seus poderes. Já com Claire eles tiveram a chance de se conhecer de verdade, de passar tempo juntos – e maus tempos! –, e tiveram a oportunidade de desenvolver um romance para se apegarem, e isso foi muito bom de acompanhar. Não sei como vão resolver isso em Os Defensores, mas espero que Luke não volte para Jessica, e nem que Jessica fique com raiva de Claire, porque não precisamos desse drama.

Falando em Jessica Jones, existem algumas referências, mas em momento nenhum é revelado se Luke perdoou Jessica, e nem como ele se sentiu tendo sua mente controlada por Kilgrave. Eu esperava que ele falasse algo sobre isso, porque foram coisas que marcaram e mudaram a sua vida em Hell’s Kitchen, e por isso ele se mudou para o Harlem.

Cheo Hodari Coker, criador da série, disse em entrevista que a sua inspiração para essa série era o filme Cidade de Deus. Acho que a inspiração foi muito de leve, porque não vemos características do filme na série. O que vemos é a luta dos bandidos pelo poder e dinheiro, mas isso é muito comum, e de qualquer forma em Luke Cage os vilões são adultos, enquanto em Cidade de Deus são crianças e adolescentes. Mas mesmo assim é muito legal ver esse reconhecimento e respeito que Cidade de Deus tem por aí a fora.

Uma coisa que não gostei muito na série foi a grande presença de músicas. É uma série com forte apelo musical, e demorei para me acostumar com isso, porque são cenas demoradas e a música toca quase inteira. Outra coisa que não gostei foi o segundo vilão principal, que é Kid Cascavel. Ele não me convenceu. Ele é (ou deveria ser) para Luke o que Loki é para Thor, com a diferença que Loki é bem mais carismático e tem motivações reais, enquanto Kid Cascavel só é motivado por uma vingança sem sentido. Passaram uns seis episódios falando dele como uma grande ameaça, e ele até é por causa das suas atitudes, mas não nas suas motivações. O vilão que vem antes, o Boca de Algodão (confesso que achei esse nome engraçado) é bem melhor. Eu gostei dele, e ele tinha boas motivações para acabar com Luke. Ele poderia ter segurado essa série sozinho tranquilamente. Ele também poderia ser o cara que veste aquela roupa que dá super-força, o que ficaria muito bom. A atuação de Mahershala Ali é boa, apesar que em alguns momentos lhe achava parecido com a atuação de James Spader, que faz Reddington em The Blacklist (quando ele ri em momentos que não são engraçados).

Boca de Algodão - Luke Cage - 1ª temporada - Netflix

Mas existem outros vilões que são igualmente bons ao Boca de Algodão, que é Mariah, sua prima, e Shades. Depois que Kid Cascavel aparece eles são menos mostrados na tela, mas continuam tendo a sua importância na história até o último episódio.

No último episódio teve a última briga, que estava boa, até ela acabar rapidamente do nada e esfriar tudo. Esperava um final mais sacrificado. Apesar da série deixar claro que Luke não mata e nem machuca ninguém – só os deixa desacordados – gostaria que Kid Cascavel fosse morto. Seria uma solução definitiva para o vilão, assim como Jessica Jones fez com Kilgrave.

Esse último episódio também deixa grandes pontas para a próxima temporada e para Os Defensores, já que Claire disse que iria ligar para Matt, para que ele seja o advogado de Luke, o que só me deixa ainda mais ansioso pelo que virá por aí.

Fora os pontos negativos que foram ditos nesse texto, Luke Cage foi uma ótima série. Na minha opinião foi a melhor lançada até agora. Ela é melhor que Jessica Jones, que por sua vez é melhor que Demolidor. E digo mais uma vez: não é só luta. Digo que Luke Cage é melhor pelo conjunto do que foi feito e por tudo o que ele representou.

Nota: