sábado, 24 de dezembro de 2016

Categorias:

Resenha: O Natal dos Coopers

O Natal dos Coopers - Pôster nacionalTítulo Original: Love The Coopers

Título Nacional: O Natal dos Coopers

Direção: Jessie Nelson

Gênero: Comédia

Duração: 1h47min

Estreia: 3 de dezembro de 2015

 

 

 

 

 

Eu adoro filmes de Natal. Por mais simples que sejam, eles trazem um clima muito bom, e sempre trazem mensagens de união, paz, amor, estar em família, todos sentimentos que os filmes fazem questão de lembrar através dos atos dos personagens, e que não devíamos só lembrar no Natal, mas sempre. Esses filmes ainda mostram um pouco da importância do Natal para os americanos. Mesmo que na vida real não seja exatamente como nos filmes, e mesmo que na vida real não haja tanta felicidade ou um final feliz como nos filmes, é como se os filmes se encarregassem de tentar trazer essa magia e esse sentimento para a vida das pessoas, que é sempre tão corrida e cheia.

Mas O Natal dos Coopers é diferente dos outros filmes de Natal. Ele é o filme de Natal mais real que assisti (geralmente os filmes de Natal que assisto são infantis, que também são muito bons). Ele não trata de somente criar personagens problemáticos para depois resolver o problema só porque é Natal e ter um final feliz. Ele dá profundidade aos personagens, trabalha cada um com seus problemas e defeitos. Mostra que apesar de ser Natal, a vida continua com seus problemas. Mostra que às vezes as pessoas usam o Natal como escape para os problemas da vida, e algumas delas querem apenas um momento normal e feliz. Outras querem apenas se sentir amadas e aceitas como são.

O final é o típico final feliz, mas não poderia ser diferente num filme de Natal, não é mesmo? Mesmo assim não achei um filme clichê, simplesmente porque ele trabalha muito bem os seus personagens dentro das 1h47min de duração, mostrando que nem sempre o Natal é perfeito. Nem sempre ele é essa magia toda. Às vezes a reunião da família ao redor da mesa é mais uma mera tradição que todos fazem questão de continuar cumprindo, mas que ao mesmo tempo não querem mais porque não aguentam mais continuar fingindo uma alegria e felicidade que na verdade eles não têm.

E mesmo assim, graças ao seu final, ele ainda consegue nos deixar num bom clima natalino. A lição mais importante que se pode tirar desse filme é que não adianta você querer ter um Natal perfeito se sua vida não é perfeita. Não adianta você querer reunir a família toda se eles não se dão bem e nem se esforçam por isso. Não adianta se reunir em família para o Natal se todos estarão fingindo alegria ou satisfação com sua vida pessoal. Quem faz isso não só está engando aos outros, mas iludindo a si mesmo, o que pode lhe tornar infeliz com sua própria vida. O que o filme mostra é que temos que trabalhar nos nossos problemas e nas nossas relações com as pessoas diariamente. Quando chegarmos num momento em que estaremos bem conosco mesmos e com os outros, o Natal poderá voltar a ser uma data especial, e uma reunião em família onde todos estarão juntos, alegres e felizes para comemorar.

Nota: